quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Banco prevê reajuste da gasolina neste mês

Brasil
 7% MAIS CARO 
O aumento do preço da gasolina no mercado internacional deve fazer a Petrobras reajustar novamente o combustível na bomba até o fim deste mês, segundo prevê o banco Credit Suisse. De acordo com Iana Ferrão, analista do Credit, desde o mais recente reajuste feito pela Petrobras, em 5 de dezembro, a gasolina subiu 3,9% no mercado internacional.

Em sua nova política de preços, a Petrobras pretende vender gasolina no mercado brasileiro a valores próximos aos praticados no exterior. Segundo cálculos do banco, nesta terça-feira (3), o preço da gasolina no Brasil estava 5,9% inferior ao do mercado internacional. As comparações desconsideram os impostos cobrados sobre combustíveis, o que muitas vezes deixa a gasolina brasileira mais cara para o consumidor. "Há probabilidade alta de a Petrobras reajustar [a gasolina] já em janeiro", diz Ferrão. Ela ressalta que, no reajuste de dezembro, a empresa não zerou a diferença de preços ante o mercado externo.

A previsão do Credit Suisse é que o combustível fique 7% mais caro neste trimestre. Segundo levantamento de Ferrão, a gasolina subiu no exterior no início do ano em todos os últimos 14 anos. Se a Petrobras seguir a tendência, reajustes serão inevitáveis. A previsão é de sobes e desces ao longo do ano, mas a gasolina deverá fechar 2017 pelo menos 7% mais cara, com risco de superar 10%. Os cálculos levam em conta o preço do barril de petróleo e a cotação do dólar.

Se ambos seguirem à risca a previsão do banco, a gasolina chegaria a dezembro com defasagem de 38% em relação ao mercado externo. "Sabemos que há incertezas [nas projeções]. Considerar um reajuste de quase 40% seria exagerado, por isso somos mais conservadores", afirma. Nesse exercício, o preço da gasolina só fica mais barato com o dólar de R$ 3 a R$ 3,30 e mesmo assim com petróleo até US$ 50. Hoje o barril do Brent está em US$ 55,50.

Especialista em inflação, Ferrão prevê que, com isso, a carestia incomode mais em 2017 do que preveem o governo e os analistas. A previsão do Credit Suisse é que a inflação (medida pelo IPCA) feche o ano em 5,7%, acima do centro da meta do Banco Central (4,5%) e do que prevê a maioria dos analistas (4,8%).(Fonte: Folha de S. Paulo)

Nenhum comentário: