terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Ex-prefeito é preso suspeito de matar prefeito eleito

Brasil
 CASO NO PARANÁ 
Gilberto Dranka (PSD), preso na manhã desta terça
(Foto: Divulgação)
O ex-prefeito Gilberto Dranka (PSD) da cidade de Piên, região metropolitana de Curitiba, foi preso pelo Cope (Centro de Operações Policiais Especiais), unidade de elite da Polícia Civil do Paraná, em uma operação nesta terça-feira (31).

Segundo a polícia, o político é suspeito de envolvimento na morte do prefeito eleito da cidade Loir Dreveck (PMDB), de 52 anos, – que foi assassinado no dia 17 de dezembro de 2016 antes de tomar posse no cargo.

Outras duas pessoas foram presas na manhã desta terça. Os mandados judiciais são de prisão temporária, com prazo de 30 dias.

Oito mandados de busca e apreensão e três de condução coercitiva – quando a pessoa é levada para a delegacia para prestar depoimento, também foram cumpridos.

A operação do Cope é na cidade de Piên e também em Itajaí, no Estado de Santa Catarina.

Segundo a polícia, são alvo da ação os suspeitos de matar Dreveck como executor e intermediários. O homem que atirou contra o prefeito ainda é suspeito de matar por engano outra pessoa. Ele teria atirado contra um homem, dias antes, achando que se tratava do prefeito eleito.

Cerca de 40 policiais do Cope participam da operação policial.

O crime
Prefeito eleito morreu antes de assumir mandato
(Foto: Divulgação)
Dreveck morreu no dia 17 de dezembro, três dias depois de ser baleado na cabeça.

Ele foi alvejado quando viajava para Santa Catarina, pela PR-420.

Dreveck estava em um carro da prefeitura, com a família, quando foi surpreendido por um motociclista que disparou contra ele.

O prefeito eleito foi atingido na cabeça e encaminhado em estado grave ao Hospital e Maternidade Sagrada Família, em São Bento do Sul, Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos.

Loir Dreveck (PMDB) venceu a eleição em 2016 com 4.232 votos. O concorrente, João Padeiro (PSDB), fez 4.113 votos.

Armado 
Em outubro de 2016, Gilberto Dranka (PSD) foi parar na delegacia depois de uma discussão com um servidor concursado de Piên.

O servidor disse à polícia que o prefeito foi em sua sala na prefeitura e apontou uma arma para sua boca o ameaçando de morte.

Na época, o então prefeito deu outra versão e disse que foi até a sala do servidor apenas para pedir que ele parasse de “prejudicá-lo”. Dranka negou que tenha apontado uma arma.
(Matéria extraída do Paraná Portal)

Nenhum comentário: