segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Contra 'indústria da multa', Prefeitura vai reforçar sinalização

São Paulo
 REDUÇÃO DAS MULTAS 
Um dos radares campeões de multas em São Paulo se
localiza na Marginal do Tietê
(Foto: Reprodução)
A Prefeitura de São Paulo vai iniciar um programa para reduzir o número de multas na capital paulista que terá como foco os cinco radares campeões de autuação na cidade. O secretário municipal de Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda, disse nesta segunda-feira, 6, que a sinalização será reforçada para avisar ao condutor sobre a aproximação dos equipamentos, com o objetivo de tornar a multa "uma exceção".

Segundo Avelleda, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) "quer acabar com essa perspectiva de que existe indústria da multa em São Paulo".

O radar que mais registra infrações em toda a cidade está localizado na chegada da capital pela Rodovia dos Imigrantes, na zona sul: 18.800 em média por mês, ou uma autuação a cada dois minutos. A ação começará pelo equipamento campeão, que até o dia 3 de março já terá sinalização instalada.

"Já estamos começando uma conversa com a Ecovias para fazer uma melhor sinalização ao longo da rodovia na chegada a São Paulo, de maneira que ele possa reduzir a velocidade", disse Avelleda. 
Também receberão sinalização reforçada dois radares na Marginal do Tietê, um que lidera infrações por excesso de velocidade e outro que registra uso errado de faixas exclusivas de ônibus.

A Companhia de Engenharia do Tráfego (CET) realiza estudos para melhoria da sinalização do local e, conforme o secretário, entregará o material em até uma semana.

Outro equipamento que figura a lista dos cinco líderes de autuações está na Marginal do Tietê, na alça de acesso da Ponte dos Bandeiras, na zona norte.

"Ali, vamos melhorar muito a sinalização de solo e a orientação do condutor. Vamos mudar o radar de lugar. Vamos dar uma oportunidade de ele mudar o comportamento dele ao sair da pista que nós vamos criar para ele acessar a Ponte das Bandeiras", explicou Avelleda. 
(Fonte: Estadão)

Nenhum comentário: