quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Promotoria afirma que Kelly Cadamuro foi estuprada antes de morrer; 3 são denunciados

 BRASIL 
Kelly Cadamuro viajava para MG
O Ministério Público em Minas Gerais afirmou na tarde desta terça-feira (21) que a radiologista Kelly Cristina Cadamuro, 22, foi vítima de estupro antes de ser assassinada ao ceder uma carona cobrada, combinada pelo WhatsApp. O crime aconteceu em Frutal, cidade do interior de Minas Gerais, no dia 1º de novembro deste ano.

Segundo a promotoria, Kelly foi morta por Jonathan Pereira do Prado, 33, que está preso e assumiu a autoria do homicídio. Ele nega, porém, ter cometido o estupro.

Além de Prado, outros dois homens, que são suspeitos de receptarem o carro da radiologista, também estão presos. A Promotoria denunciou os três.

Em nota, o Ministério Público informou que, durante a viagem de carro, o suspeito pediu para que a vítima parasse o veículo. Depois disso, ele teria aplicado um golpe em Kelly, provocando sufocamento, até ela desmaiar.

Conforme a denúncia, Prado teria retirado a vítima ainda com vida do carro e a arrastado por alguns metros até um matagal, onde teria praticado o estupro.

O corpo de Kelly foi encontrado sem calças na beira de um rio. A polícia reuniu indícios e conseguiu localizar e prender Prado e seus comparsas. 

Ainda de acordo com a denúncia da promotoria, apresentada nesta terça-feira, o estupro não deixou vestígios. Prado foi denunciado por latrocínio (roubo seguido de morte), estupro, ocultação de cadáver e fraude processual, com os agravantes de ser reincidente e de ter cometido o crime por meio cruel, em estado de embriaguez e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima.

Prado já era considerado foragido da polícia por outros crimes. O Ministério Público não explicou qual foi a fraude processual cometida por ele nem deu detalhes sobre seu estado de embriaguez. 

Kelly viajava de sua cidade, São José do Rio Preto (SP), para Itapagipe (MG), onde visitaria seu namorado, um engenheiro de 28 anos. Kelly vivia com os pais e juntava dinheiro para se casar com o namorado, por isso tentava economizar nas viagens dando carona paga.

Segundo a Polícia Civil, que investigou o caso, Prado matou Kelly com socos e com estrangulamento. Procurado, o delegado Bruno Giovanini informou que o inquérito já foi finalizado e que a investigação vai seguir com o Ministério Público.

Segundo a Agência Estado, um quarto homem teria sido identificado pela Polícia Civil. No entanto, essa outra pessoa não foi localizada e denunciada pelo Ministério Público. A família critica o trabalho da polícia.

Na última sexta-feira (17) familiares se reuniram com um representante do promotor Fabrício Costa Lopo para cobrar uma investigação melhor. A polícia não comentou as críticas.

As informações são do Uol.

Nenhum comentário: